viernes, 11 de enero de 2008

SEIS TITULOS PREFERIDOS POR CAIXA BI PARA 2.008

O Caixa BI já escolheu os seis títulos "preferidos" para 2008: a Altri, a Brisa, a Cimpor, a Jerónimo Martins, a PT Multimédia e a Sonaecom. Numa nota de "research", a casa de investimento destaca os títulos que elege para o ano que começou.
Altri com potencial de 46%
No sector da pasta e papel, a Altri é o título escolhido, para o qual o banco tem um preço-alvo de 7,20 euros, o que representa um potencial de valorização de 46%, e uma recomendação de "comprar".
A suportar a performance do título estarão os preços da pasta de papel de eucalipto (BHKP) e a capacidade de produção. A Celbi aumentará a capacidade de produção no primeiro semestre de 2009, o que poderá significar uma subida nas vendas e no EBITDA. Um eventual "spin-off" ou venda da F. Ramada será outro dos catalizadores da Altri.
Estabilidade favorece Brisa
"Em tempos de forte volatilidade, a história da Brisa pode atrair a atenção dos investidores considerando o seu perfil conservador e com um muito estável "cash-flow"", referem os analistas do Caixa BI. Os mesmos responsáveis acrescentam que os níveis de tráfego têm recuperado nos últimos trimestres.
Por outro lado, a empresa está bem posicionada quanto a novas oportunidades de investimento, e beneficia de um ângulo especulativo depois do recente reforço da Abertis. Para a concessionária de auto-estradas, o Caixa BI apresenta uma recomendação de "comprar" e um preço-alvo de 11,80 euros, que representa um potencial de subida de 17%.
Cimpor com estratégia ambiciosa
Depois de reiniciar a cobertura da Cimpor com uma recomendação de "comprar" e um "target" que corresponde a um potencial de valorização de 29% (7,60 euros), o banco escolheu a cimenteira como uma das suas "top picks".
Frisando a estratégia de crescimento e a visão ambiciosa da empresa, o Caixa BI vê como catalizador do título o investimento em vários mercados, nomeadamente em economias emergentes e em desenvolvimento. A sua presença em 13 países diminui a exposição a fases menos favoráveis do sector da construção.
Expansão impulsiona Jerónimo Martins
No sector do retalho, o destaque vai para a Jerónimo Martins que tem na Biedronka a "estrela" do grupo. Depois de em 2007 ter apresentado uma performance que agradou ao banco, o plano de expansão em Portugal e na Polónia deverá dinamizar a performance operacional da Jerónimo Martins.
Para a empresa liderada por Luís Palha recomenda "acumular", com um preço-alvo de 6,20 euros, o que lhe confere um potencial de subida de 13%.
PTM com potencial de 22%
Depois do "spin-off" face à casa-mãe, a nova equipa de gestão da PT Multimédia implementou um ambicioso plano de negócios que deverá criar valor aos seus accionistas, nomeadamente através do pagamento de um "dividendo atractivo".
O potencial de valorização do preço-alvo de 11,05 euros atribuído é de 22% e a recomendação é de "comprar".
Fortes probabilidades de fusões e aquisições na Sonaecom
Também a Sonaecom "merece" o destaque do Caixa BI, devido sobretudo às suas recentes aquisições que demonstraram a disciplina na gestão da empresa tendo em vista a consolidação e a criação de valor. A empresa referiu várias vezes a sua atenção às oportunidades de consolidação em Portugal e o banco acredita que "há fortes probabilidades de movimentos de fusão e aquisição em 2008", que deverão ser o "driver" das acções, segundo o banco.
Para esta empresa, o Caixa BI recomenda "acumular" e um preço-alvo de 5,10 euros, que equivale a 67% de potencial de subida.